“Prevenção” da Doença de Alzheimer

Um trabalho recente de revisão e meta-análise (publicado em julho deste ano no Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry) sobre os vários fatores de risco para desenvolvimento da Doença de Alzheimer foi a primeira sistematização sobre o assunto.

Apesar das limitações inerentes ao tipo de estudo e às dificuldades diagnósticas ainda existentes, o trabalho em questão confirmou alguns dados epidemiológicos mais antigos.

Classificação: I (recomendação forte), II (recomendação fraca) e III (ausência de recomendação)
Nível: A (evidências fortes), B (evidências medianas) e C (evidências fracas)
Fatores de risco Classificação e nível de evidência Intervenção proposta
Diabetes mellitus I-A Prevenção e controle da hiperglicemia
Depressão (moderada/grave) I-A Cuidados e controle da saúde mental
Distúrbios do sono I-B Manter quantidade e qualidade adequadas de sono
Doenças cardiovasculares (principalmente se houver antecedentes de tratamentos intervencionistas de insuficiência coronariana) I-B Controle adequado dos fatores de risco cardiovasculares
Educação I-A Oportunidades educacionais na infância
Estresse I-A Atividades de relaxamento e evitar o estresse crônico
Falta de estímulo mental I-B Atividades de estímulo mental
Fibrilação atrial I-B Controle clínico adequado
Fragilidade e perda excessiva de massa muscular e força I-B Cuidados com a saúde na velhice
Procurar manter as atividades cotidianas
Hiperhomocistenemia I-A Dosar regularmente a homocisteína sérica; suplementar com ácido fólico, cobalamina e/ou piridoxina caso necessário
Obesidade I-B (meia-idade)
I-A (velhice)
Manter o IMC entre 18,5 e 24,9 kg/m2
Perda excessiva de peso na velhice I-B
Pressão arterial I-A Prevenção e controle da hipertensão arterial sistêmica (principalmente antes da velhice)
Acompanhamento de indivíduos portadores de hipotensão ortostática
Sedentarismo I-B Atividade física regular
Tabagismo I-B Cessação do tabagismo
Traumatismos cranianos (principalmente se repetidos) I-A Prevenção de traumatismos cranianos
I-B Assegurar um suprimento diário adequado de ácido ascórbico

Os fatores de risco mais importantes e as intervenções consideradas mais eficazes encontram-se destacadas em negrito. A tabela acima excluiu os seguintes fatores/intervenções:

  • Causas genéticas
    Genes APP (21q21.3), PSEN1 (14q24.2), PSEN2 (1q42.13)
  • Fatores de risco genéticos
    Alelo ε4 do gene APOE (19q13.32)
  • Fatores e/ou intervenções com nível de evidência C
    Por exemplo: atividade social, uso de anti-inflamatórios, osteoporose, exposição a pesticidas
  • Intervenções classe II

Quanto às intervenções classe III (reposição estrogênica ou uso “preventivo” de inibidores da acetilcolinesterase), já há um certo tempo sabe-se conclusivamente que não são eficazes.

Nota:

Apesar de descrito há um certo tempo como fator de risco, a perda auditiva acabou não aparecendo na revisão e meta-análise de YU et al. Inclusive alguns trabalhos analisados tinham deficiências sensoriais como fatores de exclusão.

Outros fatores relacionados no Apêndice — como a questão dos efeitos a longo prazo da suplementação com ácidos graxos poli-insaturados, a ingesta “social” de álcool, o uso crônico de benzodiazepínicos — precisam ainda de maiores estudos que confirmem (ou não) o papel destes na evolução da doença de Alzheimer.


Bibliografia:

Thomson, Rhett S.; Auduong, Priscilla; Miller, Alexander T.; Gurgel, Richard K. Hearing loss as a risk factor for dementia: A systematic review. Laryngoscope Investig Otolaryngol. 2017;2(2):69-79.
Vlessides, Michael. First Proposed Evidence-Based Guideline for Alzheimer’s Prevention. Medscape Medical News. 27/08/2020. Acessado em setembro de 2020.
Yu, Jin-Tai; Xu, Wei; Tan, Chen-Chen; Andrieu, Sandrine; Suckling, John; Evangelou, Evangelos; Pan, An; Zhang, Can; Jia, Jianping; Feng, Lei; Kua, Ee-Heok; Wang, Yan-Jiang; Wang, Hui-Fu; Tan, Meng-Shan; Li, Jie-Qiong; Hou, Xiao-He; Wan, Yu; Tan, Lin; Mok, Vincent; Tan, Lan; Dong, Qiang; Touchon, Jacques; Gauthier, Serge; Aisen, Paul S.; Vellas, Bruno. Evidence-based prevention of Alzheimer’s disease: systematic review and meta-analysis of 243 observational prospective studies and 153 randomised controlled trials. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry. 2020. No prelo. Publicado online em 20/07/2020. Acessado em setembro de 2020.
Alzheimer Disease. Genetics Home Reference – NIH. Acessado em setembro de 2020.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.